O Gradual Progresso de Stalin até Xi

Stalin e Xi Jinping

O socialismo não apenas investe em criação de valor de uso melhor que o capitalismo, também consegue criar demanda no processo, portanto torna o investimento motivado por lucros dependente da criação de demanda por meio de valor de uso planejado.

Por Saikat Bhattacharyya* para Regional Rapport em 24.07.2020 | Tradução de Marianna Braghini

A economia socialista progrediu gradualmente desde Stalin até Xi Jinping, o modelo de industrialização rápida de Stalin foi criticado por Mao, e Deng aprendeu com as teorias e práticas de Mao, mas, Xi está construindo um novo estágio da economia socialista em que o capital se torna dependente do fluxo de investimentos não orientados pelo lucro.

O Progresso de Stalin

Stalin, em seu livro “Problemas econômicos do socialismo na URSS” afirmou que planejamento é a base da economia socialista e a lei do valor (ou motivação por dinheiro, em palavras mais comuns) funcionou parcialmente na economia socialista planejada.

Stalin conseguiu atingir o rápido desenvolvimento de sua indústria pesada e uma estrutura de educação e saúde. Isso criou trabalho produtivo e base de infraestrutura muito rapidamente. Mas, após isso, a economia soviética começou a ter problemas na produção de bens de consumo ou produção industrial leve. A era pós-stalin viveu um grande retorno dos incentivos motivados por dinheiro. Estes problemas desafiavam fortemente a compreensão de Stalin acerca da economia socialista.

A Crítica de Mao ao Stalinismo

Mao criticou a posição de Stálin em seu livro “Critique of Economic Problems of Socialism in USSR” [“Crítica aos Problemas Econômicos do Socialismo na URSS”], afirmando que o planejamento é a superestrutura, a base de uma economia socialista planejada é a produção de commodities e a lei do valor segue funcionando integralmente na economia socialista planejada. Mao diz, ainda, que em uma economia socialista, a produção se dá sob a perspectiva do valor de uso, ao passo em que a economia capitalista produz sob a perspectiva do valor de troca. Em outras palavras, na economia socialista o investimento deve ser orientado por demandas sociais, enquanto na economia capitalista, o investimento é orientado por lucros.

Assim, a principal proposta de Mao é que o planejamento não altera o modo de produção, i.e. produção de commodities, mantida intacta a lei do valor. Ela apenas substitui o lucro no objetivo principal de investimentos. Portanto, sob o socialismo, o valor investido não é mais M-D-(M+dM) e esta mudança foi feita a partir da superestrutura da comissão de planejamento. Ao passo em que indivíduos seguem trabalhando por remuneração, a superestrutura da comissão de planejamento está prevenindo que o capital seja ativado ao investir prioritariamente em demandas sociais, e não priorizando o lucro. Stalin estava errado ao pensar que esta mudança na natureza dos investimentos foi feita a partir da base.

Portanto, enquanto Stalin acreditava que a propriedade privada estava em um estágio moribundo, Mao enfatizava que a propriedade privada se mantinha firme, gerada como reação à todas as ações tomadas sob a economia socialista planejada. Mao almejava conter este processo, ao atacar culturalmente a produção de commodities, a motivação por dinheiro e a propriedade privada. Sua Revolução Cultural fracassou em produzir os resultados desejados. Em vez disso, o ataque à motivação pelo dinheiro reduziu significativamente o ritmo do desenvolvimento das forças produtivas nacionais.

Mao Sobre a Indústria de Transformação

Mao indicou outro importante obstáculo da economia planejada de Stalin. Colocava-se muita ênfase na indústria pesada, e pouca atenção era concedida à indústria de transformação. Mao afirmou que o valor de uso da indústria pesada e de infraestrutura pode ser determinado por planejadores, economistas e burocratas. Mas o valor de uso da indústria de transformação é determinado apenas pela população. Então a população deve ser envolvida na decisão do que deve ser produzido, como e para quem se destina a produção. No planejamento econômico, a decisão deve ser feita democraticamente. Não deve ser deixada para burocratas. O envolvimento popular no planejamento também não produziu os resultados desejados. Profissionais frequentemente eram excluídos e isso levou ao desastre, pois as pessoas não compreendiam a produção.

Deng e a Revolução Cultural

Deng emergiu quando a China vivia os efeitos negativos da Revolução Cultural. Ele não rejeitava Mao completamente.  Deng não apenas aceitava a contribuição de Mao na luta contra o imperialismo, na erradicação do feudalismo e na construção de uma forte estrutura de educação, saúde e de indústria militar, bem como também aceitava a crítica de Mao feita à Stalin. Deng aceitou que a base de uma economia socialista planejada ainda é a produção de commodities, na qual a lei do valor opera integralmente e a propriedade privada emerge cotidianamente.

Deng também aceitou que o valor de uso na indústria de transformação ou de bens de consumo não pode ser determinada por planejadores. Isso deve ser uma decisão da população. As pessoas falharam na produção de bens de consumo via planejamento democrático uma vez que não compreendiam o processo produtivo. Apenas profissionais podem produzir os bens. Mas as pessoas podem determinar o valor de uso ao revelar suas preferências no mercado. O mercado é necessário em indústrias de transformação, bens de consumo e setor de serviços.

Mas, Deng também contemplava o poder da economia socialista para investir na produção de valor de uso.  Ele compreendeu que o socialismo pode ter a vantagem apenas se utilizar integralmente a base para a produção de commodities. Então, Deng permitiu que a propriedade privada operasse, permitia a competição de mercado e conseguia vantagens do mercado global e das tecnologias desenvolvidas internacionalmente, ambas superiores às contrapartes chinesas. Para tal, Deng ativou completamente uma base de produção de commodities ao passo em que seguia buscando investimentos priorizados por valor de uso (demandas sociais), em detrimento do valor de troca (lucro).

Assim, Deng recusou as privatizações desenfreadas e políticas eleitoreiras, diferentemente de Gorbachev, da União Soviética. Deng seguiu mantendo a propriedade estatal em setores estratégicos, indústria de infraestrutura e serviços, ao passo em que permitia propriedade privada no setor de bens de consumo. O desejo por valor de troca, da iniciativa privada (motivação pelo dinheiro), é permitido, como uma forma de identificar áreas com vantagem competitiva, enquanto a criação de valor de uso liderada pelo Estado (infraestrutura) é direcionada para criação de novas áreas de vantagem competitiva sem levar em consideração o valor de troca (lucro).

Presidente Xi e Criação de Valor

O Presidente Xi recomendou investimento gerador de demanda, em infraestrutura, o que não apenas cria áreas de novas vantagens competitivas, como também gera demanda para setores já existentes de indústria e serviços. Assim, uma nova vantagem da economia socialista é demonstrada O socialismo não apenas investe em criação de valor de uso melhor que o capitalismo, também consegue criar demanda no processo, portanto torna o investimento motivado por lucros dependente da criação de demanda por meio de valor de uso planejado. Assim, a geração de valor de troca se torna permanentemente dependente da geração de valor de uso, que por sua vez, em contrapartida, não gera valor de troca.  Desta forma, Xi tem liderado o mais avançado estágio de socialismo conquistado pela humanidade em toda a história.

Conclusão

Desta forma, concluímos que as recomendações políticas de Deng foram criadas considerando as vantagens e desvantagens das políticas de Stalin, analisando as críticas de Mao feitas à Stalin e identificando as áreas de fracasso das políticas Mao. As políticas de Xi são baseadas no sucessos de Deng. Esta é a razão pela qual a política de Deng fornece a melhor política de desenvolvimento já criada. As políticas de Deng serão uma grande fonte de inspiração para o desenvolvimento de forças produtivas do Terceiro Mundo e para a redução do abismo entre forças produtivas e salários entre o Terceiro e o Primeiro Mundo. Similarmente, as políticas de Xi estão inspirando as populações de Primeiro Mundo na priorização do investimento orientado por valor de uso, em detrimento dos investimentos priorizados segundo valor de troca (lucro).

*Saikat Bhattacharya é bolsista de pesquisa indiano de Calcutá e atualmente trabalha na Universidade de Jadavpur, Calcutá, Bengala Ocidental, Índia

Não Matriculado
6 Aulas

A Estrela Vermelha Brilha sobre a China

Este mini-curso de Hugo Albuquerque será transmitido via plataforma Zoom nos dias 6, 13, 20 e 27 de junho e…

0% Completo
0/0 Steps

Veja mais…

Não Matriculado
4 Aulas

Revoluções: outro mundo é possível

Curso gravado sobre o contexto histórico e as teorias das principais experiências revolucionárias na América Latina, Rússia, África e Ásia.…

0% Completo
0/0 Steps

Veja mais…

Gratuito
3 Aulas

O sindicato tem futuro?

Neste curso Marcio Pochmann e convidados debatem temas como a formatação do modelo de organização e representação dos interesses da…

0% Completo
0/0 Steps

Matrículas encerradas

Não Matriculado
7 Aulas

O Pensamento Mao Tsé-Tung

A ideia do curso consiste em localizar a singularidade do pensamento Mao Tsé-Tung na tradição marxista através de seus principais…

0% Completo
0/0 Steps

Veja mais…

Não Matriculado
1, Aula

A guerra econômica no conflito ucraniano

Aula híbrida (presencial e online) A Operação Z, que marca a maior escalada do conflito russo-ucraniano nestes oito anos, já…

0% Completo
0/0 Steps

Veja mais…

Gratuito
3 Aulas

República de Segurança Nacional: Militares e política no Brasil

Curso debate o projeto de poder dos militares no Brasil  Iniciativa faz parte da Coleção Emergências, parceria da Fundação Rosa…

0% Completo
0/0 Steps

Veja mais…

Não Matriculado
12 Aulas

O Partido Fardado e a Política no Brasil

Fundamentos teóricos, história e propostas para um combate 10 horas de curso gravado! Assista a hora que for mais conveniente!

0% Completo
0/0 Steps

Veja mais…

Não Matriculado
7 Aulas

A Era Putin na Rússia

Este curso foi gravado em abril de 2022 com aplicativo Zoom. Conteúdo gravado e material didático. 12h de aula online…

0% Completo
0/0 Steps

Veja mais…

Não Matriculado
4 Aulas

Combo Pensadores

O Combo Pensadores é um pacote com 4 cursos online que fornece à militância uma introdução histórica da vida e…

0% Completo
0/0 Steps

Veja mais…

Não Matriculado
4 Aulas

Gramsci, vida e obra

O curso Gramsci, vida e obra foi editado baseado na gravação do curso da Escola Latino-americana de História e Política…

0% Completo
0/0 Steps

Veja mais…

Não Matriculado
14 Aulas

Engels 1820-2020: um homem bicentenário

No bicentenário de seu nascimento, a vida e a obra de Engels serão tratados em mais um curso da Escola…

0% Completo
0/0 Steps

Veja mais…

Não Matriculado
9 Aulas

Como criar e coordenar um cursinho popular

O curso “Como criar e coordenar um cursinho popular – a experiência do Cursinho Popular Construção” proporciona a sistematização de…

0% Completo
0/0 Steps

Veja mais…

Artigos Relacionados

O mito da unidade da resistência ucraniana

Durante a cobertura do conflito que ocorre no presente momento no leste europeu, somos levados a acreditar que existe apenas um pensamento na Ucrânia: a defesa de seu governo. Contudo, quando observada de forma crítica, tal narrativa não parece se sustentar. Exatamente nesse sentido, A coisa pública brasileira, no intuito de esclarecer sobre o que ocorre na Ucrânia neste presente momento, publica o presente artigo, do referido autor para que brasileiros possam ter informações relevantes que nos vem sendo negadas, devido ao intenso bloqueio midiático.

A nova política externa da Rússia, a Doutrina Putin

Parece que a Rússia entrou em uma nova era de sua política externa – uma ‘destruição construtiva’, digamos, do modelo anterior de relações com o Ocidente. Partes dessa nova maneira de pensar foram vistas nos últimos 15 anos – começando com o famoso discurso de Vladimir Putin em Munique em 2007 – mas muito está se tornando claro apenas agora. Ao mesmo tempo, os esforços medíocres de integração ao sistema ocidental, mantendo uma atitude obstinadamente defensiva, continuam sendo a tendência geral na política e na retórica da Rússia.