O corredor humanitário é uma derrota de Zelensky

Por Hugo Albuquerque*

A criação de um corredor humanitário para civis é uma derrota de Zelensky. Até outro dia, seu regime estava mantendo civis inocentes presos nas cidades, sob Lei Marcial. Pior: orientados a usar molotov contra tropas russas, as quais não estão investindo contra civis.

A Europa sabe que agora o fluxo imediato de refugiados aumenta. E apesar da distração para a ocupação das cidades, com os civis partindo, as tropas russas tendem a ficar frente a frente com tropas ucranianas, o que lhes favorece.

Enquanto isso, os russos miram no controle da costa ucraniana para o Mar Negro. Existe o temor de que uma ordem muito vertical mude a posição turca, o que implicaria em vasos de guerra vindo do Mediterrâneo. Remoto, mas nada impossível.

A questão é se a operação russa foi muito veloz nos primeiros dias, por uma combinação de fatores, inclusive a dissimulação de negociações pelo governo ucraniano, ela se tornou lenta. A chegada à Kiev, que parecia logo ali, foi adiada em dias.

Se o passar dos dias atrapalha Putin, por outro lado, ele faz chegar os efeitos na Europa: alta no petróleo e gás, chegada de refugiados. Menos dinheiro e mais gente. Daí, a conversa com Macron – que quer o final da guerra, ao contrário de Mr. Biden.

*Hugo Albuquerque é publisher da Jacobin Brasil, editor da Autonomia Literária, advogado e direitor do Instituto Humanidade, Direitos e Democracia — IHUDD.

Artigos Relacionados

O mito da unidade da resistência ucraniana

Durante a cobertura do conflito que ocorre no presente momento no leste europeu, somos levados a acreditar que existe apenas um pensamento na Ucrânia: a defesa de seu governo. Contudo, quando observada de forma crítica, tal narrativa não parece se sustentar. Exatamente nesse sentido, A coisa pública brasileira, no intuito de esclarecer sobre o que ocorre na Ucrânia neste presente momento, publica o presente artigo, do referido autor para que brasileiros possam ter informações relevantes que nos vem sendo negadas, devido ao intenso bloqueio midiático.

A História do EZLN através de suas declarações (Parte I)

“As seis declarações serão objeto de uma análise comparativa e abrangente. Os seis fazem parte de um todo que não pode ser segmentado, exceto para facilitar a organização de seu estudo, não como objetos de estudo em si e separadamente. Esses documentos contam a história de um movimento político caracterizado por uma plasticidade ideológica e factual altamente sincrética.

A nova política externa da Rússia, a Doutrina Putin

Parece que a Rússia entrou em uma nova era de sua política externa – uma ‘destruição construtiva’, digamos, do modelo anterior de relações com o Ocidente. Partes dessa nova maneira de pensar foram vistas nos últimos 15 anos – começando com o famoso discurso de Vladimir Putin em Munique em 2007 – mas muito está se tornando claro apenas agora. Ao mesmo tempo, os esforços medíocres de integração ao sistema ocidental, mantendo uma atitude obstinadamente defensiva, continuam sendo a tendência geral na política e na retórica da Rússia.

Respostas

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *