Uma chave para entender a contraofensiva do império

Estados Unidos recuam para sua retaguarda estratégica: América Latina e Caribe

Por Atílio Boron

Muitas pessoas intoxicadas pela “mídia de desinformação” de massa ou pelo “sicariato midiático” (porque essas organizações com suas notícias falsas, blindagens e ocultação de informações são tão letais quanto os bandidos do cartel de drogas) expressam sua resignação, em alguns casos sua surpresa, ante o aumento do bloqueio decretado pelo governo dos Estados Unidos contra Cuba (e também contra a Venezuela e a Nicarágua). São arquiconhecidas as ambições de domínio que Washington tem sobre as terras ao sul do Rio Grande.

Como disse o presidente mexicano López Obrador, em seu discurso de 24 de julho, por ocasião do 238º aniversário do nascimento de Simón Bolívar: “a política dos últimos dois séculos, caracterizada por invasões para colocar ou remover governantes conforme a vontade da superpotência é inaceitável; digamos adeus às imposições, interferências, sanções, exclusões e bloqueios.”

Efetivamente, a “inércia histórica” conduz ao intervencionismo, às desestabilizações de governos dignos e bloqueios genocidas, violando os mais sagrados preceitos da injuriada legalidade internacional. E um setor importante da opinião pública naturalizou essa monstruosidade e não reage a ela. Espero que a corajosa denúncia de López Obrador os torne conscientes da natureza aberrante do antigo e do novo monroísmo.

Legenda dos gráficos: O países coloridos de azul têm maior fluxo de comércio, exportações mais importações, com os Estados Unidos. Aqueles em cor laranja têm fluxo preponderante com a China. O mapa superior refere-se ao ano 2000 e o central ao ano 2020. O quadro inferior mostra a porcentagem que cada um dos países detém em relação ao comércio total dos dois. A fonte dos dados é o FMI e a elaboração da revista The Economist.

Mas há outras razões, mais recentes, para a contraofensiva dos EUA. Vou me limitar a apontar uma: o grupo dirigente do império, que alguns chamam de “estado profundo”, percebeu que os Estados Unidos deixaram de ser a principal economia do mundo. Dependendo de como é medido, eles podem ainda ser um pouco maiores do que a China, mas em mais alguns anos, de acordo com relatórios da OCDE, o gigante asiático superará em muito a economia estadunidense. Mas esse não é o principal problema: o que importa é que a China se tornou o primeiro parceiro comercial da grande maioria dos países do planeta.

A eloquente imagem que acompanha esta nota refere-se apenas ao vínculo comercial e subestima a importância do vínculo, visto que em quase todos os casos o país asiático é por sua vez o principal parceiro financeiro. Essa situação é totalmente inédita, nunca antes vista na história da economia internacional, muito menos algo que aconteceu em um período historicamente curto de apenas vinte anos.

Trata-se de uma modificação que não é conjuntural nem temporária, mas sim estrutural e que revela, com contornos nítidos, o temido declínio do “império norte-americano”. Esta nova realidade fornece uma das chaves – não a única já que mencionamos acima a “inércia histórica” – que explica a renovada beligerância dos Estados Unidos na região.

O reforço do referido bloqueio acompanhado de um firme apoio ao “narcogoverno” colombiano, o “Israel sul-americano”, que facilita às suas tropas, mercenários, narcotraficantes e paramilitares perseguir não só a vizinha República Bolivariana da Venezuela, mas também a operar descaradamente no Haiti e cometer um assassinato. A isso se soma a intensa pressão exercida sobre governos que relutam em obedecer às ordens da Casa Branca, como os do México, Bolívia, Argentina e agora do Peru.

Diante de uma mudança de magnitude como a ilustrada pela imagem acima, a voz de comando tem sido recuar para a retaguarda estratégica dos Estados Unidos: América Latina e Caribe e tentar, a partir daí, com uma região totalmente dominada por governos de direita, mitigar as consequências dessa mudança abrupta na relação das forças econômicas entre os Estados Unidos e a China.

Essa política tem um precedente: nos anos 70, quando Washington percebeu que seria derrotado no Vietnã, o que se fez foi semear ditaduras militares em toda a região para melhor enfrentar a tempestade. Tanto ontem como hoje a receita é a mesma: desestabilizar governos indisciplinados ou simplesmente com reivindicações de neutralidade e fortalecer os lacaios do império. Naquela ocasião eles alcançaram seu objetivo, mas agora é muito improvável que com a mesma política obtenham o mesmo resultado.

*Publicado originalmente em ‘Rebelión‘ | Tradução de César Locatelli para Carta Maior

Artigos Relacionados

O mito da unidade da resistência ucraniana

Durante a cobertura do conflito que ocorre no presente momento no leste europeu, somos levados a acreditar que existe apenas um pensamento na Ucrânia: a defesa de seu governo. Contudo, quando observada de forma crítica, tal narrativa não parece se sustentar. Exatamente nesse sentido, A coisa pública brasileira, no intuito de esclarecer sobre o que ocorre na Ucrânia neste presente momento, publica o presente artigo, do referido autor para que brasileiros possam ter informações relevantes que nos vem sendo negadas, devido ao intenso bloqueio midiático.

A História do EZLN através de suas declarações (Parte I)

“As seis declarações serão objeto de uma análise comparativa e abrangente. Os seis fazem parte de um todo que não pode ser segmentado, exceto para facilitar a organização de seu estudo, não como objetos de estudo em si e separadamente. Esses documentos contam a história de um movimento político caracterizado por uma plasticidade ideológica e factual altamente sincrética.

Respostas

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *